« Anterior Próxima »

Trio de top designers da Nike lançam novas versões do ícone Air Max

Postado em 24/03/2016

      Os três top designers da Nike que levam os tênis da marca a novos patamares de design esportivo, inovação e tecnologia, são Mark Parker, Tinker Hatfield e Hiroshi Fujiwara. Eles colaboram desde 2002 e ganharam até uma linha para lançar suas invenções, a HTM, com as iniciais de cada um. Criaram já mais de 30 modelos entre calçados mais conceituais e vendidos em tiragem limitada ao Flyknit que revolucionou a maneira de fazer tênis leves, com performance e uso mais correto dos materiais.​

      Agora que a marca celebra o Air Max. E o trio foi convidado a desenvolver uma visão própria para um dos mais fortes ícones da história da marca. E cada um ao seu jeito, reiventou o Air Max. “Se eu sou convidado a refazer um Air Max, eu vou mudá-lo e adicionar tecnologia”, diz Tinker. Para escolher as cores, ele usou como referência os EUA e a França, dois países importantes em sua carreira, por isso o tênis é vermelho, branco e azul.

      Já Mark gosta de produtos simples e que comunicam o que fazem de forma clara. Ele projetou os tênis da V-Series (Vengeance, Vortex e Vector) e trouxe deles algumas características para o modelo atual. “É uma ode à linguagem clássica de design de corte e costura da década de 1980, executado em uma maneira moderna”. E Fujiwara pesquisou nos arquivos da Nike e escolheu olhar para o estilo classic retrô, que redesenhou em nylon e camurça.

      O site de notícias de moda​ FFW teve acesso a um bate papo entre os três, contando os bastidores de suas colaborações:

 

O início

 

   Hiroshi Fujiwara: Quando eu me encontrei com Mark pela primeira ou segunda vez, antes dele se tornar o CEO, ele me perguntou: “Se você tivesse que fazer alguma coisa com a Nike, o que seria?” Eu respondi que eu queria ajudar a aprimorar determinados modelos.

     Mark Parker: Eu tinha entrado em contato com Hiroshi para conhecê-lo. Através desse diálogo, Tinker entrou em cena. Havia uma sensação de que, em vez de apenas falar sobre as ideias, poderíamos colaborar, transformar nossas ideias em formas e, se gostássemos, lançar o produto finalizado.

      Tinker Hatfield: Tenho certeza de que o HTM, em última análise, foi ideia de Mark. Parece-me, retrospectivamente, que isto é o que ele faz melhor. Ele realmente sabe como reunir as pessoas certas.

    Mark: Ao unir pessoas com mentes abertas e respeito mútuo, temos um diálogo puro, orgânico e não filtrado. É um processo criativo poderoso – que estamos sempre tentando explorar.

     Hiroshi: Outras empresas utilizaram siglas para representar colaborações, como um nome em código, eu usei HTM para representar Hiroshi, Tinker e Mark. Mas eu nunca pensei que esse passaria a ser o nome oficial.

     Mark: Demos ao projeto a sua própria identidade, colocando nossas iniciais nele, o que de início não significou nada para a maioria das pessoas quando o viram. Mas o nome “HTM” representou cada uma de nossas impressões digitais no processo.

 

O time

 

     Mark: Ambos, Hiroshi e Tinker, são parceiros criativos maravilhosos. Hiroshi é mais um estilista-designer do que um designer puro. Ele tem um senso de estilo, praticidade e simplicidade. Seu olhar sobre como os designs se encaixam no estilo de vida cotidiano é inestimável. Tinker é um mágico para combinar design, inovação, performance e estilo de forma única.

     Tinker: Mark desempenha o papel que ele sempre desempenhou. Ele é um designer, mas ele também é um desenvolvedor, e passou um tempo no laboratório. Ele também é um gênio em refinamento, curadoria e reorganização. Por exemplo, seu escritório tem uma curadoria maravilhosa. Há arte e itens de recordação de diferentes momentos da jornada dele. Mas de alguma forma, quando juntos, eles fazem sentido. É um símbolo da maneira como ele pensa.

 

A oportunidade

 

     Mark: A HTM é um lugar para brincar, experimentar e testar novos conceitos. É uma saída criativa para criar uma nova estética, empregar um material novo ou explorar uma nova solução de performance. Mas não importa a silhueta, a HTM nos dá a liberdade de inventar sem regras ou expectativas formais de comercializar algo em grande escala. O projeto é rápido e extremamente recompensador.

     Tinker: No início, a HTM foi um exercício de utilização de cores e materiais inesperados para aprimorar designs clássicos.

    Hiroshi: Esta foi uma época em que os tênis de luxo não eram tão comuns. Assim, no início, a HTM se tornou uma oportunidade para adicionar um toque de luxo aos tênis.

    Mark: Com a HTM, não há realmente nenhuma restrição. Nós não precisamos nos preocupar em nos comprometer com materiais ou estruturas, porque o produto precisa ter um certo nível de preço. Fazemos coisas que acreditamos que deixem o tênis mais interessante. Então, nós provavelmente ultrapassamos alguns limites do processo convencional. O Air Force 1 foi um exemplo disso, pois usamos couro e costuras incrivelmente sofisticadas. Tudo foi refinado.

 

Visão geral

 

     Hiroshi: Ao invés de atualizar o que já existia, a HTM começou a lançar novas ideias pela primeira vez.

     Mark Parker: O Sock Dart resultou de uma brincadeira de Tinker na Innovation Kitchen. O projeto era simples e astuto – um tênis de referência para os meses de verão. Mas também era moderno, sofisticado e progressivo.

     Tinker: Foi um projeto desafiador que envolveu malha circular, que dizíamos a todos ser o futuro do design de calçados. Mas não fabricamos muitos modelos quando lançamos o tênis e ninguém viu. Logo em seguida, se me lembro bem , Hiroshi queria trazê-lo para o HTM.

     Hiroshi: Mais tarde, no Japão, eu o vi sendo vendido. Eu disse repetidamente para Mark e Tinker que o tênis era futurista e interessante, e que deveríamos trazê-lo de volta. Por isso, decidimos aprimorá-lo com o HTM.

     Tinker: Um dos motivos pelo qual eu participei de um projeto desta natureza é que ele oferece a você a oportunidade de descobrir algumas preciosidades que ninguém realmente presta atenção. Ao fazer isso, você pode despertar o pensamento sobre o design do futuro. O Sock Dart ajudou as pessoas a repensar alguns projetos futuros, pois nós estávamos começando a trabalhar muito com malha e este era um tênis muito avançado e futurista.

    Mark: Nós ficamos, e ainda estamos, incrivelmente animados com o potencial do Flyknit, não apenas em termos de oferta de uma nova estética, ou abertura de novas possibilidades para a sustentabilidade, mas também do ponto de vista de performance.

     Hiroshi: Os tênis Flyknit parecem tão simples, mas eles são incrivelmente técnicos. Eu entendi o quão incrível a tecnologia era. Mas com as primeiras amostras, foi difícil ver se o tênis realmente tinha um cabedal de malha. Para deixar a estrutura de malha e sem costura mais visível, eu aconselhei a equipe a usar cores para explicar o conceito, misturando os diferentes fios coloridos.

    Tinker: A HTM nos ofereceu a oportunidade de facilitar um pouco a entrada da tecnologia no mercado. Conseguimos aprender com o lançamento, fazer com que as pessoas notassem a tecnologia, e em seguida, crescer. Então, este lançamento do Flyknit, para mim, é o melhor exemplo do propósito e potencial da HTM.

     Trabalhando com Kobe (em 2014, o HTM lidou com o basquete pela primeira vez, lançando o KOBE IX Elite Low HTM, o primeiro tênis Flyknit de cano médio criado para prática do basquete)

    Hiroshi: O KOBE IX Elite Low HTM deu-nos a oportunidade de celebrar o quanto o Flyknit tinha evoluído. O que foi usado pela primeira vez para corrida poderia agora ser usado para os movimentos intensos e diagonais de basquete.

    Tinker: Pessoalmente, acho que este é um dos produtos mais testados, mais bem trabalhados, mais bem desenhados que criamos. É uma excelente combinação entre a tecnologia e a visão do atleta.

     Mark: Kobe ficou animado com ele. Ele é um fanático por tênis, então eu acho que ficou emocionado e honrado em fazer parte da HTM.

 

O legado HTM

 

     Mark: No seu início, a HTM foi muito espontânea, não foi uma jogada de marketing deliberada. Nasceu em grande parte a partir de uma motivação pessoal. Nos dá a oportunidade de brincar, fazer algumas coisas que queremos fazer e expressar-nos por meio do produto.

     Tinker: Ao longo da história, negócios foram criados com base na inovação e em coisas que ninguém jamais fez. A HTM tem sido um dos caminhos mais claros para este objetivo final. É um projeto extremamente gratificante. Além disso, é muito divertido. Nós quebramos regras. Como não gostar disso?

Os três novos tênis começam a ser vendidos nesta semana, inclusive no Brasil.

 

​Fonte: FFW​

 

Publicado em: Tendência

Prêmio Primus Inter Pares Assintecal/Braskem

Postado em 17/03/2016

     O Prêmio Primus Inter Pares Assintecal/Braskem, aconteceu nesta segunda feira no NH Hall em Novo Hamburgo. O prêmio tem como objetivo promover e estimular o Setor de Componentes, apresentando soluções criativas e inovadoras que contribuam para a competitividade das empresas no mercado. Foram inscritos 65 cases, nas categorias: Inovação Tecnológica, Design, Exportação, Sustentabilidade e Imprensa. A cerimônia contou com mais de 450 pessoas. 

 

       “Nesta noite, conheceremos empresas e empreendedores que fizeram acontecer em 2015! Gente, que de uma forma ou de outra, soube, em meio ao escorregadio cenário econômico, driblar o pessimismo e mostrar que somos mais fortes e criativos que a crise. Hoje seus esforços serão coroados neste palco”, ressaltou o Presidente da Assintecal, William Marcelo Nicolau.

 

      A Compor foi premiada na categoria exportação, que teve os seguintes critérios de avaliação: Crescimento no valor exportado; Valor agregado dos produtos exportados (aumento do preço médio da exportação); Diversificação de mercados e capacidade de penetração; Ações de comunicação dirigida aos mercados eleitos.

      Dedicamos o prêmio para toda a nossa equipe e estamos muito felizes!

 

      Os demais vencedores foram:

 

Design
Média e Pequena Empresa (MPE) –  Lis Metais - Enfeites em resina epóxi com fixação simples da Lis Metais obtêm sucesso absoluto
Média e Grande Empresa (MGE) – Caimi & Liaison - Mali: Design diferenciado que se destaca com o efeito da Luz Negra 

 

Inovação Tecnológica
MPE – Birimolde - Palmilha desenvolvida pela Birimolde melhora saúde de usuários
MGE – Dublauto Gaúcha - Inovação em flexibilidade, design, leveza e saúde 

 

Sustentabilidade
MPE – Blaze - Material excedente e TPU, solução para a indústria de moda e inovação no segmento de hotfix
MGE – Artecola - Sustentabilidade: Uma filosofia empresarial com inovação

 

Exportação
MPE – Estúdio Compor - Exportação de componentes através do design de produto em fábricas de calçados
MGE – RBT Chemical Specialities Ltda - Exportação, muito mais que um desafio

 

Imprensa
Luís Vieira
Menos é mais? O paradoxo de fazer calçados para quem busca a sensação de estar descalço

 

A iniciativa é realizada pela Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae),  co-realização da Braskem e patrocínio ouro patrocínio da FENAC, Grupo Sinos, Cigam, Banco do Brasil e Conexo; patrocínio prata da Francal, Triart, Fedex, ACICAM, Sicoob, Unimed, CIATEC, Solo, Biason, Comunicação Impressa e Castellamare; patrocínio bronze da Escape, Nobletur e M&C.

 

 comporpremio

Publicado em: Cases

Novas prioridades

Postado em 01/03/2016

     Uma pesquisa inédita que ouviu mais de 400 jovens traçou um perfil da geração Z e apontou como vivem, pensam e consomem pessoas de 13 a 18 anos em Porto Alegre. Os resultados revelam que eles estão cada vez mais conectados e apontaram algumas surpresas. Entre elas, a de que trabalho e profissão não são mais prioridades e que os jovens veem a aids como algo distante, como mostra a reportagem do Teledomingo (veja o vídeo).

     O estudo, intitulado “Likers - A Nova Geração de Consumidores”, foi encomendado pela Câmara de Dirigentes Lojitas (CDL) da capital. Foram ouvidos jovens das classes A até a D. Os entrevistados nasceram no auge do debate sobre o vírus HIV, entre a morte de Renato Russo (1996) e a queda das Torres Gêmeas, nos Estados Unidos, em 2001.

 Confira o vídeo e a matéria completa [+] http://glo.bo/1C9gWsd

Publicado em: Cultura

Projeto Gestão Comercial

Postado em 19/02/2016


​     'Em um mercado altamente competitivo, soluções que tragam rentabilidade e produtividade às empresas são cada vez mais procuradas. Buscando fomentar e desenvolver o setor de componentes, a Assintecal oferece o projeto Gestão Comercial.

Com vagas limitadas para 20 empresas, a iniciativa – direcionada às empresas participantes do Fórum de Inspirações Inverno 2017 – tem como objetivo promover um programa de aprendizado com foco na gestão comercial, contemplando treinamento de equipes comerciais, organização dos processos para o melhor desempenho de vendas e elaboração de um plano de vendas estratégico com alinhamento entre gestão do design com a gestão comercial.

     Serão seis encontros ministrados pelos consultores Milton Moca Araújo, Tatiana Ritzel, da Compor e Rafael Rysdyk. Além das capacitações presenciais, os participantes contarão com 40 horas de consultorias realizadas em suas empresas, para acompanhamento e auxilio na estruturação do plano estratégico de vendas da organização.

Para participar da consultoria ou obter mais informações entre em contato pelo email relacionamento@assintecal.org.br ou pelo telefone 51 3584.5200.

Os consultores:

Milton “Moca” Araujo
Gestor do Projeto e Consultor CML-MKT
Administração com Ênfase em Marketing pela ESPM/POA e pós graduado em Gestão  Estratégica de Vendas pela ESPM/POA. Com 15 anos de experiência como gestor de equipe de vendas e marketing, passando por empresas como Qix, Lopo Calçados e VANS. Sócio da COMPOR – Consultoria, Design e Inovação desde 2013, atuando com foco na geração de resultados através do design de produtos e consultoria de vendas.

Tatiana Ritzel
Consultora de Moda
Consultora de Moda, formada em Administração de Empresas pela Feevale e pós-graduada em Marketing e Design de Moda pela ESPM/POA. Dentre os vários cursos de especialização realizados, destaque para o curso de Moda Projetada feito no POLI. Design em Milão e Aplicação Estratégica de Tendências de Design. Atua no setor coureiro-calçadista desde 1994, passando por empresas como Azaleia e Schutz. É sócia da COMPOR – Consultoria, Design e Inovação desde 1999, atuando com foco na geração de resultados através do design de produtos.

Rafael Rysdyk
Consultor CML-MKT JR.
Graduado em Marketing e Vendas pela faculdade Unisul e PósGraduado em Finanças e Governança Corporativa pela ESPM/POA. Começou sua carreira como skatista profissional viajou a mais de 27 países participando de competições, feiras, eventos e pesquisando novas tendências de mercado. Durante 14 anos participou diretamente de desenvolvimento de novos produtos, campanhas de vendas e posicionamento de marca dentro do ponto de venda no segmento de calçados para skate. Atualmente é sócio fundador da fábrica e marca Liga Trucks, uma das maiores do Brasil no setor de trucks para skate.'

 

Fonte: Assintecal

Publicado em: Cases

Prêmio Primus Interpares

Postado em 12/02/2016

     O Prêmio Primus Inter Pares Assintecal / Braskem é um evento anual que ocorre desde 2001, celebrando este ano a sua 16ª participação. O evento visa a promoção e integração de empresas de micro, médio e grande portes que realizaram ações estratégicas e competitivas para ganharem mercado. Tendo como objetivo promover e estimular o setor de componentes premiando e divulgando empresas que trazem soluções inovadoras e criativas, melhorando sua posição competitiva. O prêmio é realizado durante o Jantar Anual da Assintecal, sendo realizado sempre um dia antes do início da FIMEC, proporcionando maior inter-relacionamento entre empresários, compradores, órgãos e insituições governamentais, bem como apoiadores e parceiros.

     As categorias para concorrer são:


1 - INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

Importância dada pela empresa à inovação e ao desenvolvimento tecnológico; impacto da inovação na produtividade e competitividade da empresa; articulação com universidades e institutos de pesquisa e divulgação de tecnologia.


2 - DESIGN
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

Importância dada pela empresa à inovação em desenvolvimento do design; impacto a inovação na produtividade e competitividade da empresa; articulação com universidades e institutos de pesquisa além de divulgação do design.


3 - EXPORTAÇÃO
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

Os critérios são, volume de exportações; valor agregado dos produtos exportados; diversificação de mercados e capacidade de penetração, e comunicação com o mercado.


4 - SUSTENTABILIDADE SOCIAL
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

Diálogo e participação do público interno; respeito e investimento no trabalhador; gerenciamento ambiental; relacionamento com o mercado; relações com a comunidade; filantropia e investimentos sociais.


5 - IMPRENSA
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

O objetivo é estimular jornalistas por meio de premiação, para produção de reportagens e matérias em mídia impressa (jornais e revistas) e eletrônica (rádio, TV e internet) que venham a apresentar e destacar o setor de componentes para couro e calçados do Brasil junto à opinião pública e à comunidade em geral, no Brasil ou no exterior.

 

Publicado em: Design

« Anterior
Próxima »