« Anterior Próxima »

Prêmio Primus Interpares

Postado em 12/02/2016

     O Prêmio Primus Inter Pares Assintecal / Braskem é um evento anual que ocorre desde 2001, celebrando este ano a sua 16ª participação. O evento visa a promoção e integração de empresas de micro, médio e grande portes que realizaram ações estratégicas e competitivas para ganharem mercado. Tendo como objetivo promover e estimular o setor de componentes premiando e divulgando empresas que trazem soluções inovadoras e criativas, melhorando sua posição competitiva. O prêmio é realizado durante o Jantar Anual da Assintecal, sendo realizado sempre um dia antes do início da FIMEC, proporcionando maior inter-relacionamento entre empresários, compradores, órgãos e insituições governamentais, bem como apoiadores e parceiros.

     As categorias para concorrer são:


1 - INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

Importância dada pela empresa à inovação e ao desenvolvimento tecnológico; impacto da inovação na produtividade e competitividade da empresa; articulação com universidades e institutos de pesquisa e divulgação de tecnologia.


2 - DESIGN
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

Importância dada pela empresa à inovação em desenvolvimento do design; impacto a inovação na produtividade e competitividade da empresa; articulação com universidades e institutos de pesquisa além de divulgação do design.


3 - EXPORTAÇÃO
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

Os critérios são, volume de exportações; valor agregado dos produtos exportados; diversificação de mercados e capacidade de penetração, e comunicação com o mercado.


4 - SUSTENTABILIDADE SOCIAL
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

Diálogo e participação do público interno; respeito e investimento no trabalhador; gerenciamento ambiental; relacionamento com o mercado; relações com a comunidade; filantropia e investimentos sociais.


5 - IMPRENSA
(micro e pequena empresa e média e grande empresa)

O objetivo é estimular jornalistas por meio de premiação, para produção de reportagens e matérias em mídia impressa (jornais e revistas) e eletrônica (rádio, TV e internet) que venham a apresentar e destacar o setor de componentes para couro e calçados do Brasil junto à opinião pública e à comunidade em geral, no Brasil ou no exterior.

 

Publicado em: Design

Previsão de Cores Primavera/Verão 2017

Postado em 20/01/2016

 

​     A WGSN é a maior autoridade em previsões de tendências no mundo todo.​ De acordo com ela, mostramos as previsões de cores Primavera Verão 2017. 
 
     Marcando o início esportivo da temporada tempos o tema Onda Digital, que faz referência á moda esportiva e se adapta bem também aos modelos elegantes de alfaiataria da temporada. Inspirada pelo movimento artístico pós internet, a Onda Digital se conecta ao espírito dinâmico dos anos 80, porém de forma simples, moderna e elegante. Os gráficos poderosos, as tonalidades saturadas e as cores energéticas aumentarão o volume, trazendo a sensação nostálgica dos anos 80, porém esta tendência será esportiva, glamurosa e inovadora. As cores são limpas e infusas com o look e a sensação da era digital. Os tons clássicos dos anos 80 retornarão e a cor de ameixa-preta surgirão como tons chaves. O magenta forte, o rosa-choque e o vermelho-fogo farão uma estréia brilhante na temporada, assim como o verde-jujuba e o amarelo-farol.
 
 
 
onda
 
 
 
     A tendência Fronteiras Urbanas, será onde a cidade encontra o campo e as cores ficam mais suaves a casuais. A nova boemia avança para a segunda fase, uma nova energia virá das fronteiras urbanas, sendo esta tendência, minimalista, honesta e acolhedora. A cor trará uma sensação caseira, o rosa-chintz é aconchegante e confortável, o branco-claro traz a lembrança do lar, e os roxos suaves e belos. Por meio de sua cor, a tendência irá captar o aconchego do lar a as mudanças pequenas e transitórias que ocorrem de uma temporada á outra. Os tons de verde-abacate e âmbar -dourado, que remetem ao estilo dos anos 70, trarão um toque nostálgico de romance pastoral.
 
 
 
furbanas
 
 
 
     Encontro de Culturas é a tendência que firará em torno da excitação de descobrir e explorar novos encontros culturais. Com inspiração nas praias de Cuba e Caribe e cultura caribenha, essa é uma verdadeira temática de alto verão, com tons vibrantes, alegres e empolgantes, que chegam nesta terceira fase. Explorando o design de forma inovadora e inusitada, essa tendência irá captar o alto verão com espírito de aventura. 'Encontro de Culturas será o veículo de cores para o alto verão em 2017, formando um raio de sol conforme a paleta faz a transição do mar para a areia, até os limites da selva. Cacau, coco e areia serão as principais cores neutras, enquanto que os tons de manga, akee, verde-papagaio e rosa-pitaia vão trazer os toques tropicais vibrantes da cultura caribenha.
 
 
 
encontro
 
 
 
     O ponto final da Primavera/Verão de 2017, vem com a tendência Pausa, uma proposta moderna ao luxo enfoca a qualidade nos detalhes. Esse tema de luxo se aterá ás coisas importantes da vida, com foco no tempo, espaço, significado e experiência. Sendo assim, a paleta oferecerá uma pausa, um período de descanso, com cores sensíveis em tom relaxante e reflexivo. Será uma tendência amável e introspectiva, ancorada no luxo. Passa pelos tons metálicos raros e as nuances puristas suaves, chegando até a profunda riqueza. Tons frios de branco, azul e cinza e os tons quentes de azul-rochoso, damasco e coral-escuro criarão o efeito puro e tranquilizador. Há um ar de frescor para o verão mas é equilibrado pelos tons mais escuros com o o ébano, o café e o mangostão. Tons de dourado e champanhe aumentam o ar luxo, enquanto o amarelo-horizonte traz um toque alegre a paleta.
 
 
pausa
 
 
 

Publicado em: Tendência

Consumo, posse e o comportamento de compra de calçados no Brasil

Postado em 11/01/2016

      Dia 9 de janeiro, ocorreu uma das palestras mais esperadas do 20º Congresso Brasileiro do Calçado, com o tema: Consumo, posse e o comportamento de compra de calçados no Brasil. Onde foi apresentada a pesquisa Painel de Consumidores no Brasil, que foi adquirida em conjunto pela Associação Brasileira de Lojistas de Artefatos e Calçados (Ablac) e Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados). A pesquisa foi feita pela empresa líder mundial em conhecimento do consumidor, Kantar Worldpanel e utilizou uma equipe própria de entrevistadores que visitou semanalmente durante um ano a mesma amosrta em 11.300 lares, que representam 51 milhões de domicílios no Brasil ou 80% dos lares. A amostra abrangeu todas as regiões do país, assim com classes sociais, idades das donas de casa e tamanho das famílias.

   A partir dos dados apresentados vimos que o volume de compra de calçados em um geral, caiu 8% e em valores de compra, o faturamento baixou também em geral 12%, sendo os calçados femininos os mais impactados com esta queda. O preço médio que o consumidor vem pagando, ou, pode pagar atualmente é de R$55,00 a R$99,90 (onde está a oportunidade de negócio). O Nordeste foi a região que mais teve queda de consumo de calçados, com a maior retração. Já o Rio de Janeiro e o Grande Rio, mantiveram estabilidade de consumo e até apresentou melhora nas vendas de calçados, sendo a grande oportunidade do ano.

    Do montante comprado durante todo ano de 2015, a classe C representou 49% deste consumo, as classes A e B representaram 29% e as classes D e E representaram 22%.

A venda em lojas de calçados caiu 26%, mas mesmo assim ainda representa a maior fatia do mercado, sendo o canal onde mais acontece venda de calçados. Porém em contrapartida, as lojas de departamento (como a C&A, Renner, Riachuelo, etc), aumentaram 132% a venda de calçados. E no e-commerce também aumentaram as vendas, na ordem de 1,6%. Em um panorama geral, o setor de calçados teve uma retração de 7,5%.

    Para os congressistas e pesquisadores, este valor é considerado baixo se analisarmos todos os reveses da economia atual. E afirmaram que esta retração tem mais a ver com a falta de cada empresa e loja ``fazer o dever de casa’’, do que com a economia em si, já se a retração estivesse na ordem de 15% a 20%, poderia ser afirmado que a crise na economia estaria afetando diretamente os negócios do setor.

   A Tatiana Ritzel, da Compor, expôs sua opinião durante a palestra aos quase 600 participantes e foi muito elogiada, tendo muitos colegas do setor concordando com seu depoimento, que segue abaixo.

   ``Em cima de tudo que falaram, argumentaram e foram contra-argumentados, a grande pergunta que ficou no ar, se 7,5% de retração geral do setor significa “não ter feito o tema de casa”, e as lojas de departamento crescendo a venda em 132%, o que está acontecendo com as lojas de calçados tradicionais? Não está deixando de se consumir calçados, na verdade o consumidor está procurando outro canal de compra. Ele não está se identificando com o modelo de negócio que as lojas de calçados vem ofertando, e nas lojas de departamento ele tem e experiência de consumo que eles desejam.  Na 1ª palestra da tarde, onde se tratou de Giro de Estoque, o palestrante fechou afirmando que “o consumidor quer novidade e não variedade”. Com base nisso e no excelente desempenho das lojas de departamento, eu expus que estava passado da hora que as lojas de calçados reverem seus conceitos. Nas lojas de departamentos, os compradores tem em suas equipes estilistas que pesquisam antecipadamente o que vai ser tendência e já analisam o que realmente precisam comprar, enquanto na maioria das lojas de calçados, os compradores compram com base no que girou bem na coleção passada.

    Fora isso as lojas de departamento organizam a exposição de produtos e vitrines por estilo, por tendência ou por temática, colocando os calçados próximos as roupas que mais combinam, perto das bolsas e acessórios que irão compor um look moderno e com estilo, para todos os gostos de todos os consumidores, fazem isso tanto para feminino, quanto masculino, jovem e infantil.

      Em contraponto, nas lojas de calçados, o que vemos num geral? Vitrines com um “amontodado de sapatos” uns sobre os outros, produtos similares aos montes, onde a novidade nem sequer aparece, fica lá em meio aquele monte de produtos expostos, que não são separados por tendências, geralmente estão por segmentos: sapatilhas ( e lá estão todas elas misturadas), rasteiras, etc...

As lojas tradicionais muitas vezes não se preocupam em compor looks de acessórios, bolsa+calçado+cinto, etc...

     Resumindo, é fato e realidade que 7,5% de retração não é problema de economia, é falta de pensar fora da caixa, ou melhor, de o dono e gerentes das lojas irem dar uma caminhada em shoppings e olhar para o que os outros estão fazendo, falta realmente fazer o tema de casa, como foi citado.

      Deixo uma pergunta no ar: será que os donos e gerentes de lojas de sapatos tradicionais fazem e gostam de fazer suas compras pessoais nas suas lojas próprias? Eles se identificam com isso? Ou para seu consumo, eles compram em lojas famosas que cuidam bem da apresentação de seus produtos?

     Se eles procuram por estas lojas, porque seu consumidor também não iria querer estar dentro de um ambiente como este? Só porque os produtos são baratos não precisam estar de qualquer jeito expostos. Temos que tratar com mais carinho aquilo que é nosso ganha-pão.’’

 

Publicado em: Cultura

Feliz ano novo!

Postado em 18/12/2015

    Mais um ano chega ao fim e mais uma vez encerramos um ano especial. Há 15 anos trabalhamos com dedicação, carinho e assim, colhendo os frutos do nosso desempenho que cresce e aprimora a cada conquista.

    Agradecemos aos clientes, fornecedores e a nossa família Equipe Compor – que torna tudo isso ser possível. Dedicamos a vocês o sucesso em 2015 e as boas novas que chegam com 2016.

    Foram muitas viagens, muitas reuniões, novas experiências, desafios e alegrias. Só temos a agradecer por todas as portas que se abriram.

    Desejamos a todos que as festas de final de ano sejam ótimas, recarreguem as energias e voltemos com tudo em 2016. Já estamos ansiosos. Muito sucesso e felicidade para o ano novo!

 

Publicado em: Cases

Fórum de Inspirações - Verão 2017

Postado em 03/12/2015

 
 
      Esta semana tivemos o Fórum de Inspirações Verão 2017, em Novo Hamburgo. Durante os dias 1, 2 e 3 de dezembro no encantador café Solar da Marquesa, foram apresentadas as tendências para o verão 2017 e também os participantes puderam ter contato com showroom de materiais, rodadas de negócios e cases de marcas super bacanas. Nos três dias foram apresentadas as inspirações e tendências para o verão 2017 por Walter Rodrigues, Victor Barieratto e Marnei Carminatti. 
 
      O case do primeiro dia ficou por conta da marca Insecta Shoes, falando sobre Moda e Sustentabilidade. A Insecta Shoes trabalha com sapatos ecológicos, veganos e artesanais, toda fabricação é brasileira com reutilização de peças de roupas vintage, encontradas em brechós e sem nenhum uso de matéria pima de origem animal. Utilizam também garrafas de plástico recicladas. Não seguem temporadas ou tendências ditadas pelos padrões da moda, e sim levam em conta o que as próprias criadoras da marca gostariam de vestir.
 
     No segundo dia, quem mostrou a sua marca cheio de alegria, foi Ricardo Dullius, trazendo o case da marca Vandal, e falando sobre 'Felicidade como segredo do sucesso'. Ricardo falou sobre a felicidade dele e de colocar a felicidade do cliente acima de tudo, criando uma comunicação divertida e fora do padrão. A Vandal possui uma experiência de compra incrível para os consumidores, com newsletters divertidas e funcionais, a embalagem em forma de foguete com bolhas de estourar para as pessoas ficarem felizes. Fazem cada consumidor se sentir único e especial, na forma do atendimento, da grade de tamanhos, tudo funcional, divertido e inovador. Deixou todos inspirados e com sorriso no rosto.
 
     Para o fechamento desta edição do Fórum de Inspirações , quem esteve falando sobre Ecodesign, foi Isabela Capeto, juntamente com a TANAC. Antes de ter a sua própria marca, Isabela passou pela área de criação de grifes como Maria Bonita, Maria Bonita Extra e Lenny e também trabalhou na Fábrica Bangu, com estamparia. Ela tem um jeito único e vem encantando á todos no mundo da moda. Sempre se inspirando em museus e livros e nunca em tendências já determinadas ou pré determinadas. O objetivo de Isabela é fazer com que as mulheres se sintam lindas usando roupas românticas. Cada peça de suas coleções tem algo a mais, feitas á mão, sempre bordadas, tingidas ou plissadas, com aplicações de rendas antigas, paetês, tules ou passamanarias.
 
      A palavra do verão 2017 é a Despertar, como diz Walter Rodrigues ''Como uma página em branco que precisará ser preenchida, a nova estação dá início a mais um ciclo. Uma narrativa terá que ser elaborada e nela estarão contidas nossas experiências, nossas apostas e nossos acertos. É hora de despertar: liberar um fluxo de energia arrebatador, capaz de nos fazer buscar novos propósitos para o Verão 2017.''
Essa será uma nova etapa para as empresas, será preciso revisar tudo que foi ensinado e mostrado nos últimos semestres, compreender o cliente acima de tudo, qual a real posição do seu produto.
 
      Para o núcleo de pesquisa da Assintecal, a palavra despertar traz diversos significados, como, estar aberto a mudanças positivas, conhecer melhor a própria empresa e sua capacidade criativa, acompanhar o ciclo de vida dos produtos, contar uma história encantadora através dos produtos e sentir prazer em trabalhar, sem termos estas sensações, nada parece fazer sentido realmente.
 
     Que tenhamos todos um ótimo trabalho pela frente e despertemos para o Verão 2017!

 

Publicado em: Tendência

« Anterior
Próxima »