A geometria conceitual de Beatriz Milhazes

Postado em 24/01/2014

O trabalho da pintora, gravadora e professora Beatriz Milhazes já esteve em exposição no Rio, depois de onze anos sem expor na cidade, e agora passa por uma temporada no museu Oscar Niemeyer, em Curitiba/PR. A artista, que traz para a atualidade o conceito de brasilidade de 1970, com muitas cores, contrastes e geometria, sempre teve seu trabalho comparado aos traços de Tarsila do Amaral e Burle Marx.

 

 

 

Hoje, Milhazes é a artista brasileira viva mais valorizada no cenário artístico e tem seu trabalho conhecido por retratar com intensidade a arte popular brasileira, o tropicalismo, barroco e outros segmentos de arte aplicada, como bordados e artesanato. De todas as características, o que mais se destaca no panorama das obras de Beatriz, com certeza é o jogo cromático em uma combinação única com a abstração geométrica.

 

 

A exposição tem curadoria do francês Frédéric Paul e as obras foram reunidas de acervos pessoais e públicos para criar um panorama completo da trajetória de Beatriz Milhazes até agora pelo mundo artístico. Quem quiser assistir à “Meu Bem”, pode seguir as informações abaixo.

 

 

Serviço

“Meu Bem”, de Beatriz Milhazes

Quando:
Até 23 de Fevereiro de 2014. De terça a domingo, das 10h às 18h. 

Onde: Museu Oscar Niemeyer, Rua Marechal Hermes, 999, Centro Cívico, Curitiba/PR

Publicado em: Cultura

NOME

EMAIL

COMENTAR

COMENTÁRIOS