Moda que faz todo o sentido

Postado em 13/02/2014

A indústria de moda cada vez mais nos mostra que, mais que produtos “grifados”, é preciso ter produtos que combinem com o público. Quanto mais específico fica o target, mais valor tem o produto e, provavelmente, mais desejado ele será. Essa é uma evolução e tanto no mundo da moda, que passou por um período de pasteurização e que agora está valorizando mais o gosto do cliente do que o conceito do estilista.

 

Os novos consumidores estão cheios de novas exigências e para saná-las é necessário ter criatividade, espírito inventivo e ousadia. Segundo o especialista em indústria criativa Enrico Cietta, são estas características que devem andar juntas para um resultado de sucesso. É preciso que todas as atividades mercadológicas envolvidas no processo pensem de maneira inovadora para que haja um verdadeiro retorno econômico.

 

Esse funil no critério dos consumidores pode ter surgido do senso de personalidade que está cada vez mais se instaurando na sociedade, onde cada um quer ser único e original. E o resultado disso é simples: marcas competindo não só pelo preço do produto, mas também pelo valor emocional que ele tem sobre o consumidor. Nem sempre o grito de “oferta”, “sale” ou “liquidação” fala mais alto no ouvido do público-alvo.

 

É pensando nisso, nas expectativas desta nova leva de consumidores, que muitas empresas estão investindo em setores inteiros dedicados à indústria criativa. E há quem diga que somente aqueles que mantiverem vivo este pensamento inovador e ousado, sobreviverão e terão resultados de sucesso a longo prazo.

Publicado em: Tendência

NOME

EMAIL

COMENTAR

COMENTÁRIOS